domingo

Confissão

Perdoa-me, pelos já inconfundíveis sentimentos retidos...
Por tudo aquilo que eu sinto pelo meu criador, mas sabes a dor é tão forte e o acumular de espaços interiores é tão grande, que não sei como gerir, este desdém.
Sabes...Tu sabes, só tu sabes a humilhação a que me submeto, a ferida que não sara desde menina... Uma vez mais te pergunto, porque não paro eu por aqui, porque continuo esta luta que definitivamente não sei ser a minha.
Porque as palavras ditas e vomitadas por eles apenas o são para me transmitir uma mágoa que quero esquecer...Senhor, meu... Sei que não me abandonas, e se tudo isto tenho que enfrentar, tu apenas tu, sabes o objectivo. Mas doí...Doí demais!
Sabes que eu não sou nada do que eles dizem eu ser...Ou sou?...Serei?
A coragem é minha, de enfrentar feras do passado, que me perseguem porque eu permito até este desolado presente.
Honrar Pai e Mãe...mais ainda? e a honra dos filhos?E quando estes filhos se tornaram Pais, e o amor? Onde descobri eu o amor para o transmitir hoje aos seus netos?
Por favor, não deixes que me odeiem mais do que eu mereço, assim vos suplico...Que me deixem finalmente ser feliz...Para poder dar a quem eu mesma criei, todo e mais algum do amor que nunca eu recebi...
É preciso Coragem.